quinta-feira, 11 de abril de 2013

Estórias

Catucando meus livros antigos, acabei encontrando um caderno e nele tinha uns textos, esses textos foram propostos pelo meu antigo livro de língua portuguesa do ensino médio  para treinar a edição de textos dos mais diversos tipos.
Alguns deles, o que está sublinhado já estava pronto e foi dado pelo livro:


   Sentíamo-nos como deve se sentir uma formiga ao pé de uma bota enlameada, ou subindo penosamente uma parede branca, lisa e alta.
   Como iremos sair deste buraco? A chuva só piorava e mais lama descia, tínhamos medo de ficar soterrados. Maldito dia que decidi vir em uma ‘aventura pela floresta’, por que não disse não a Prieta como sempre faço? – enquanto pensava isso, levei meus olhos a ela, meu susto foi grande a vê-la tremer de frio. Sentada, abraçando suas pernas e olhos fixos no Nada, assim ela estava, meu coração gelou e um frio subia por minha espinha, nunca disse o que sentia por ela ou o que ela significava para mim, corri para apara-la.



Astronauta

Do espaço via a Terra, aos olhos de um minúsculo humano é colossal, impávida, imponente, um momento fantástico. Eu Retorno, vejo o chão se aproximar, ainda só vejo o branco do gelo. Me pego pensando que terei que voltar para minha “vidinha”, engolir toda a sorte de calamidades, pílulas de injustiça e atrocidades que causamos a nós mesmo. Árvores, eu vejo agora árvores que graças a Deus tiram a minha cara de desolação. Vejo se aproximar pelo reflexo do vidro da cabine árvores e árvores e uma cara de preocupação.



A Rua e o Pensamento

   Um homem atravessa uma rua, um homem calvo e de aparência tranquila, ele anda com um sorriso na boca e as mãos no bolso, acho que as mãos nos bolsos tornam seu sorriso irônico.  A tal rua é pouco movimentada, não passa carros, não há ninguém além dele. O dia nublado e a solidão me faz pensar: - Do que aquele homem rir?



TV

   Eduardo assistia televisão, a uma novela, Maria entrou na sala e a desligou. Eduardo ainda contemplava a imagem residual do casal de apaixonados da novela e poucos segundos depois, quando a imagem dos dois desapareceu, Maria disse: - isto é mais importante do que eu? – apontava para a TV. Eduardo sorriu, levantou, trocou carinhos com a sua amada e ambos foram dormir.



A Noite azul e estrelada

   Nove horas. Pude ouvir seus passos na escada, no azul da noite. Minha filha descia, esfregando os olhos e com o seu ursinho em mãos. Eu, cumprimentado com um simples ‘papai’, perguntei o que estava fazendo acordada a esta hora e irritado a levei para a cama, mas já subindo as escadas fui obrigado a parar no meio do caminho quando ela disse que só queria ver as estrelas.