quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A Trindade do Ódio (Falta de Liberdade)

Falta de liberdade

A Trindade do Ódio


   Não odeio ninguém, mas já odiei e passou. Essas três condutas são as coisas que conseguem ou um dia conseguiu despertar esse demônio perigoso chamado ódio, ao menos o vejo assim. Quem nunca ficou puto por não poder fazer o que quer?

   FALTA DE LIBERDADE: Não poder fazer o que se deseja, não poder tomar as próprias decisões, censura.

   Ninguém é livre, sempre há algo que nos prende. Somos animais e estamos em algum momento preso a coisas instintivas, naturais, talvez possa dizer automáticas; precisamos obedecer regras e aceitar obrigações sem nem mesmo ser perguntado se queria, precisamos ser responsáveis com os outros e às vezes criamos nossa própria cela. Mas a falta de liberdade que comentei não está ligada a essas coisas, até porque não nos separamos 100% da natureza, mas tudo bem porque é necessário para sobreviver, as leis não são um problema porque “garante” que poderemos viver bem, e ser responsável com os outros pode gerar um certo prazer.

   A falta de liberdade que me refiro seria aqueles momentos em que alguém deseja fazer algo, mas uma outra pessoa o impede de fazer por puro egoísmo, vaidade. Um exemplo é um pai que não quer ver o filho sendo músico e sim médico quando o desejo do filho é seguir o mundo da música. Os nossos desejos nos mantem vivos, ou melhor, correr atrás do que queremos nos mantem vivos, fazer o contrário gera desgosto, falta de realização, tristeza, essa tal censura sem motivo pode causar dor. 

   Onde surge o ódio? Mais uma vez na raiva. Com o exemplo do filho ainda, o filho que queria ser músico poderá ter raiva do pai, pior ainda se der outros motivos e censura-lo ainda mais, e da raiva pode vir o ódio com o desprezo.

   Não sei exatamente porque receber um não sem motivos sobre algo que diz respeito só a você e sua felicidade e desgraça sem atacar a outros, acaba gerando raiva. Mas não poder fazer o que quer sempre incomoda, irrita, talvez doa, perdemos a chance de se sentir realizados, de pensar que é valorizado em algo.

   Como as outras duas pragas, injustiça e traição, a falta de liberdade também pode trazer uma tristeza extrema. Pensei em um homossexual que não pode ser quem é por causa de seus pais e isso poderia leva-lo ao suicídio (não é um exemplo tosco, é verdadeiro).

   Talvez essa falta de liberdade possa está ligada a injustiça, e de forma mais difícil, a ser forçado a trair seus desejos (não falei sobre trair a si mesmo), droga eu queria ser músico, mas não necessariamente. Enfim, entre as 4 coisas que me irritam, aqui acaba uma breve reflexão do porquê essas três coisas me deixam com raiva ou despertaram o ódio.