domingo, 15 de setembro de 2013

III - A Fúria Negra


   

   Com o horror ela, Alice, agarrava-se forte ao braço de Arthur. Todos só foram tirados de seu transe quando ouviram uma gritaria. Os dois partem para fora da sala junto a seus colegas. De cima assistem a uma cena pavorosa, criaturas com os rostos sem pele com os músculos da fase visíveis e alguns apenas caveiras entraram no prédio.

   Dois seguranças disparam contra os seres, mas sem sucesso. Não demorou muito para os bichos de expressão sádica decapita-los. Quem estava no térreo corria sem rumo, não podiam escapar. Arthur e os outros só se moveram quando uma mulher que subia desesperada às escadas caiu próximo a eles e foi esfaqueada por 3. Os bichos se deram por satisfeito e se viraram para o grupo. Gritos... uma parte volta para a sala e o resto e Arthur correram pelo corredor. Alguns foram vitimados e alguns se esconderam em salas. Arthur e ela chegaram ao fim do corredor e deram em uma área aberta, o estacionamento. Duas daquelas coisas vinham e não os dava outra escolha. Arthur pula e depois Alice também, mas em seus braços. Como queria aproveitar aquele momento, mas não podia. Uma das criaturas pulou, Alice se afasta e Arthur é forçado a se defender.

   O bicho estava encapuzado e ria para ele, Arthur correu em sua direção e o agarrou caindo ao chão por cima dele, mas seu braço é segurado com força e Arthur é arremessado na parede. Alice só grita e leva a mão a boca, enquanto Arthur tenta se levantar, mas a criatura salta em suas costa e senta sobre ele, puxa seu cabelo para deixar sua garganta à mostra, levanta a faca, mas antes que pudesse dar o golpe fatal, uma estranha bola negra envolta em raios atingiu o ser maligno, que ficou derretido e grudado na parede.

- Mas como você é fraco... – Suou uma doce voz no ar – Não faça com que eu me arrependa.