domingo, 16 de fevereiro de 2014

ARTHIUS - ENTROPIA MULTIVERSAL (VII)

Aqui estamos em mais um capítulo dessa loucura. Logo adiantando: este fragmento da história é importante, pois finalmente explicará aspectos pessoais referentes ao nosso “protagonista”. Quando revisei tal trecho percebi que o mesmo é um pouco mais extenso em relação aos demais, mas não acostumem-se. Enfim... Boa leitura.

- José Carlos

CAPÍTULO VII – SOLDADO DE TERRA LONGÍQUA



Como recentemente recobrei as lembranças de outrora explicar-lhe-ei: sou oriundo do planeta Sedna – o segundo colonizado pelos humanos após a Grande Guerra Biológica da Aliança Marshall (EUA e outras potências) contra a Coalisão Oriental (China, Rússia e Japão), tornando a Terra instável demais para sustentar vidas – situado no extremo sul da Via Láctea.

Era um estudante como qualquer outro, levando uma vida comum onde morava, até que em um belo dia acabei chegando aqui inexplicavelmente. Ah, quase esqueci... Já passaram-se seis capítulos e ainda não comentara acerca da minha aparência (perdão, tais coisas não parecem relevantes ao meu ver).

Meu rosto não é dos mais agradáveis aos olhos. Costumo apresentar uma expressão séria, o que torna-me um tanto quanto intimidador. Um moreno magricela e arrogante trajando um sobretudo preto, basicamente falando. Voltando ao embate...

O sinal foi dado. A luta finalmente começara. Aquela bela silhueta rapidamente escapou-me às vistas. Envolto por enormes fios violetas, fui golpeado severamente.

Nem vinte segundos passaram e já caíra diante da garota, a qual aparentava mais ou menos minha idade. Seu olhar indiferente incomodava em demasia. A maldita conseguia desviar-se de todas as investidas, provocando-me cada vez mais:

- Não consigo entender como sobreviveste à reação. Um babaca débil assim certamente deveria desistir de viver.
- Todas as vagabundas daqui são contumazes em insultar de forma tão bela e eloquente ou és a única?
- Tamanha arrogância faz jus à tua raça. Humanos não passam de narcisistas desgraçados. Acham-se os seres mais especiais, quando são os mais medíocres. Criaram milhares de mitos, matando seus próprios semelhantes com a finalidade de provar a suposta veracidade de suas tão amadas e louvadas conjeturas, reduzindo toda a complexidade do desconhecido em achismos e meras especulações ignorantes! Desista de ser Guardião, escória destruidora de mundos, parasita indigno do pensar!
- Temo que devo concordar com o que fora dito pela senhorita. Apenas saliento que nem todos encaixam-se em tal contexto. Diamantes também surgem da lama.
- Então estás tentando dizer-me que há exceções entre a sua raça, a mais pútrida conhecida? Pois saiba que não sou passível ao convencimento através de palavras!

Após tal pronunciamento ela me jogou no chão e deu-me um soco tão forte no rosto que minha visão ficou turva. Minha ira crescia diante de tal humilhante situação: uma garota massacrava meu corpo e minha moral (machismo mimimi). Tentei recorrer ao “outro eu”, mas fui surpreendido ao escutar outra voz:

- Acertar o rosto foi a gota d’água. Descanse, cuidarei das coisas por aqui. Colocarei essa vadia nos eixos, não se preocupe.

 A expressão marcante de pavor da multidão foi a última cena que passou por minha consciência. Quando despertei vi Kataru sendo levada pela equipe médica enquanto todos me encaravam como aldeões amedrontados por um monstro.

- Isso... Esse garoto arrogante possui poder demoníaco!
- Vangladius, exigimos explicações! Pensávamos que era necessário muito treinamento para o uso de técnicas sombrias! Exclamou um membro da elite, indignado.
- Estamos diante de um Nephilim, senhores.
- Nephilim?
- Exato. São os raros casos de híbridos, Guardiões cuja essência é dotada de duas faces opostas de mesma proporcionalidade. O poder-base é muito mais elevado do que qualquer soldado convencional, porém o processo de desenvolvimento é exacerbadamente árduo, exigindo total dedicação e força de vontade do usuário para o domínio das técnicas. E ainda tem os riscos...
- Quais seriam?
- Seu corpo e mente não passaram por nenhum processo rigoroso. Caso não fique forte o suficiente sua sanidade se esvairá perpetuamente.

Fiquei tão vidrado naquelas palavras que por um momento esqueci meu triunfo. Quem era o responsável pela outra voz? Será que isso tem alguma relação com a história das sombras?



_______________________________________________________________________
O que aguarda nosso jovem Maori nessa nova fase como Guardião?