quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Andarilho Morto

Me sinto como um enfermo: letárgico, melancólico, infeliz devido a morte eminente  Em parte porque estou doente (resfriado, ou gripe), mas não é nada que não se resolva só e devido a falta até então temporária de alguém. Não só a falta em si, mas a falta de informação sobre o motivo da ausência. - se não é isso, é também isso. 

Não estou mal por sua ausência, só não estou feliz pela sua ausência. E é diferente? É e não é (interpretação e minha expressão). A felicidade, aquele sentimento fofinho, só esteve presente em momentos de sua companhia coisa que até então não havia percebido já que gozava de sua parceria quase a todo momento ou com intervalos menores que o tempo passado até então.

O mais frustrante é a impotência. Não poder fazer muito por quem você gosta, nem mesmo saber como ela está. Amanhã faço algo a mais (um defeito me impede que seja hoje), depois só algo que envolva caminha entre 2500-3000 km e isso seria difícil, sair assim. 

Não vou compartilhar isso, então ninguém lerá tão cedo ou nunca, mas eu digo  para garantir o seguinte: não me venha dizer  Bob Marley disse para não deixar sua felicidade nas pessoas, ele estaria certo no geral, mas ainda pelos motivos errados. Tudo é passageiro, efêmero, até o seu eu, sua inteligencia, seu trabalho em barro, seus feitos e glórias, a felicidade sempre pissa em areia movediça.