sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

ARTHIUS - SUPREMACIA MULTIVERSAL (V)

O inverno, ainda tímido, proporcionou alguns momentos de paz pelos arredores. A chuva parece um anulador de possíveis perturbações promovidas por primatas chamados humanos. A calmaria estimula o processo criativo, supostamente...



PROGENITORA PRIMORDIAL




- No que está pensando? Marin percebe o olhar distante de Maori.
- Futuro...
- Teme o que encontrarás por lá?
- Não necessariamente. Gosto da verdade, porém sou louco de amores pela dúvida.
- Até que você entende de uma coisa ou outra. Se fosse um pouco mais bonitinho quem sabe...
- Muito engraçado. Ademais, a senhorita não consta nos meus interesses.
- Ui, senhor exigente! Marin riu.

Num local deveras distante...

- Ashtar, por que falhaste?
- O inimigo usurpou do imprevisível, mestre.
- Seres comuns e suas limitações... Algum progresso com o projeto Tao?
- 66% concluído. Já estudamos com exatidão o potencial energético das amostras de sangue, faltando apenas a materialização do Etherium misto resultante de tais componentes.
- Arthius encontra-se em projeto de expansão. Devemos consolidar nossa manobra defensiva imediatamente. Até lá quero resultados concretos. Não toleraremos mais falhas.
- Como quiser, lorde Igniz. Reunirei todos os cientistas disponíveis para uma análise criteriosa.

Maori fazia seu caminho vale adentro, na esperança de alcançar o templo de Rimsalah – a Entidade do Caos – nos confins do reino. Uma estrutura peculiar no centro de cachoeiras e rochedos indicava o objetivo do Elite:

- Por que esta construção é suspensa?
- Os padrões físicos não se aplicam aqui. Muito cuidado, garoto!

Tudo naquele lugar era invertido: lustres no chão, pisos no teto... Espelhos diversos faziam a luminosidade viajar pelos amplos salões. Fascinado com aquele cenário fui surpreendido por uma familiar presença:

- Vashirah?
- Olá, Marin. Pelo visto trouxe o Maori...
- Meditando?
- Gosto daqui. O ambiente tranquilo me agrada...
- Estamos meio que explorando, procurando algo útil.
- Posso ajudar.
- Seria ótimo.

Vashirah nos indicou alguns escritos. Rimsalah é o caos, a mãe de todos. Ela deu origem às outras Entidades. Nos primórdios a desordem foi estabelecida como uma oportunidade que propicia o impossível e o imprevisível, tal qual um castigo aos tolos que insistem em tropeçar nas mesmas pedras. A aleatoriedade gerada neste cenário eleva em demasia as possibilidades, ultrapassando até os horizontes das estruturas de pensamento dos seres mais complexos.

- Bom ver pessoas interessadas na riqueza cultural de Arthius. A maioria só pensa em ficar musculoso e lutar a esmo...
- Conhecimento é o poder absoluto, uma nobre virtude. Braços de nada servem sem cérebro.
- Espero que se recupere. Tenho planos para ti, Maori...
- Do tipo?
- Surpresinha... Vashirah sorriu.
- Já incomodamos o suficiente. Vamos, garoto.

Novamente no Vale, o Elite recebe as boas novas acerca de seu progresso. Entusiasmado com os frutos do seu resultado ele não consegue parar de pensar nos mistérios contidos nos outros templos.

- As auras estão respondendo satisfatoriamente ao processo. Próximo destino?
- Amanhã discutimos. Boa noite...




O futuro sorrirá para o nosso jovem?