segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

ARTHIUS - SUPREMACIA MULTIVERSAL (XIV)

Lutando para que as ideias não se esgotem... rs


CAPÍTULO XIV – DESEQUILÍBRIO


- Abra seus olhos...
- Finalmente! Deu certo! A criatura perfeita!


Os membros do centro de pesquisa da Cúpula comemoravam. O ser misterioso despertara, indicando o êxito do projeto Tao.


- Diga-nos teu nome...
- Onzatsu, a reencarnação do ódio. Sou resultante da mistura das essências contidas no sangue de dois Nephilins, adicionando o poder massivo de relíquias sombrias.
- Isso eu já sei. Pronto para me servir? Ashtar parecia entusiasmado.
- Só devo obediência ao lorde Igniz. Cuidado com o tom de voz, inseto inferior...
- Ora, como ousa!


Antes que Ashtar pensasse em atacar ele foi atingido por Onzatsu.


- Desgraçado. O que fez comigo?
- Instalei nano bombas de Etherium condensado em ti. Qualquer gracinha e te transformo em pó. Alguém mais quer tentar?


As inscrições no corpo de Onzatsu lembrava Orochi, mas sua aparência era de um espectro bem negro. A Cúpula acabou criando algo além da compreensão.


Enquanto isso, no reino de Arthius...


- Maori! Pelo jeito já retornara. Temos assuntos sérios a tratar... acompanhe-me.
- Certo.


A sala de reuniões parecia vazia. Mais uma reunião confidencial...


- Por que demorou tanto, garoto?
- Vashirah? Como você...
- Isso não interessa agora. Vangladius?
- Sim... direto ao ponto. É do conhecimento dos senhores que Ashtar busca a onitotalidade a qualquer custo. Recebi informações de fontes confiáveis que um estranho artefato foi encontrado na cidade de Ukira, capital da Província-Estado de Woltrax.
- O problema é que Woltrax é famosa por sua hostilidade, visto que a mesma fora fundada sob preceitos militaristas. E tem mais: pesquisei no Labirinto das Mil Palavras e achei uns escritos mencionando a “Mão Multiversal”. Disse Vashirah.
- O que seria essa tal mão?
- Ela pode localizar a própria onitolidade. É uma chave para a dimensão oculta da tal relíquia. O pior é que os detalhes fornecidos coincidem com a mesma. A Cúpula não pode conseguir a Mão Multiversal sob hipótese alguma!
- O que estamos esperando?
- Calma. Essa missão não será nada fácil, portanto me senti na liberdade de recrutar mais um membro para a Society. Entre, por favor! Vangladius gesticulou de maneira convidativa.
- Asuka?
- Olá. Darei o suporte necessário.
- Certo. Você e o Maori irão até Ukira investigar. Falhar não é uma opção! Dispensados!


Maori fazia os últimos preparativos no templo, quando uma voz repentina o surpreende:


- Vai se divertir um pouco? Me chama, ué.
- Lilith? Até que enfim despertou!
- Sei que estava com saudades.
- Pode voltar a dormir...
- Brincadeirinha, brincadeirinha. Lilith riu.
- Meu destino é Woltrax. Conhece o local?
- Infelizmente sim. Aquela terra infestada de fanáticos malditos. Só pensam em guerras, morte e deuses... parecem até aqueles vermes dos humanos... ops, desculpe.
- Tudo bem.


O anoitecer seria o momento perfeito para uma saída discreta. Pergunto-me quais mistérios tal lugar poderia reservar. Será que os habitantes de lá são tão insanos?